domingo, 21 de dezembro de 2008

Adeus ano velho!





2008...
Quero que fique na minha memória apenas as coisas ruins, sim! Pra eu poder me lembrar o quanto fui burro esse ano, e o quanto tive que lutar comigo mesmo pra acabar com algo que poderia ser como o paraíso.
Quero me lembrar também de como fui enfeitiçado por olhos claros, e uma aparência angelical que me guardava demônios.
Com isso, talvez mais não cometa os mesmos erros...
Aproveitando, quero dizer que vou aposentar o master silence esse ano. É que tenho que estudar ainda pro vestibular de janeiro. Minha cabeça anda meio fervendo esses tempos e eu não consigo me concentrar em algo pra escrever.
Mas bem, nesse ano eu posso dizer que me superei em algumas coisas, e em outras eu preciso ainda rever conceitos... Mas é isso, vivendo, aprendendo e evoluindo...
Pra mim não vai ser beeem umas "férias" mas vou aguardar ansioso o resultado da UFBA @__@ e fazer a UFRB!
eu posso mudar minha vida em 2009 partir de uma dessas quatro letrinhas... Se Deus quiser, voltarei com boas notícias pra postar aqui.


Só quero desejar boas festas a todos!

Até ano que vem ;*

domingo, 23 de novembro de 2008

Bis?






Minha Terra

Nada em você soa mais
Nada em você, não mais me desperta
Suas palavras são um profundo vazio
Prefiro a Lua, os Lobos, meu eterno frio.
Aquele Sol não me conforta...


Minha terra não possui uma rainha
Fora nomeada Liberdade
Dou voltas e mais voltas
Mas, na minha terra
Não existe saudade

Velhas memórias...
Memórias não me fazem chorar
Aquelas vivem em velhas gavetas
Memórias que irei condenar
.
Minha terra fechou seus portões
Escritos, pedidos [perdidos], lembranças...
Lá não se ouvem velhas canções.

Hoje minha terra te condena
Com rancor, com frieza e serena
Sem amizade, sem acordos nem pena.

sábado, 22 de novembro de 2008

Perguntinhas....

Me mandaram isso aqui, mas eu não vou passar pra ninguém porque não tô a fim de passar.



1- A última pessoa com quem falou hoje: Minha irmã
2- A última coisa que falou: Sai do PC que eu quero usar ¬¬'
3- O último pensamento: Cara... Ela é linda demais! @_@ [ainda tô pensando nisso]
4- A última pessoa com quem brigou: Minha mãe, ontem de noite.
5- A última pessoa que se reconciliou: Minha mãe, 10 segundos após ter brigado
6- A última pessoa que falou de Deus pra você: Ninguém!
7- O último lugar que você gostaria de estar: Eu não sei. Talvez aqui... Ou alí.
8- O último filme que assistiu: Rejeitados pelo diabo
9- O último livro que leu ou que está lendo: Me esqueci, mas o personagem era Jack Reacher "fodão"
10- O último presente que ganhou: A vida é um presente, o café da manhã é outro, o ar que você respira também.
11- A última coisa que gostaria de estar fazendo: Estudando matemática.
12- O último telefonema feito ou atendido: Jamille, antes da UFBA.
13- O último conselho que deu e pra quem deu: Pra Jamille também "Acorda esse cara não é pra você!"
14- A última vez que chorou e porque: Nem vale a pena lembrar.
15- O que faria hoje se fosse seu último dia de vida: Me mataria logo.

domingo, 2 de novembro de 2008

É só um verso, não é?








Se você ainda fosse a minha criança...
Eu te carregaria comigo, para bem longe de tudo.
Viveria para fazer seus olhos brilharem [mais uma vez]
Faria da minha alma, sua alma...
Carne da minha carne.
Seríamos um e muito mais que dois.
Seguiria os passos teus, zelaria por ti
Dia após dia, noite após noite.
Minha estrela maior
Herdeira dos dias
Meu maior acerto
Meu eterno pecado
Poderia me perdoar?
Expirei aquele velho amor
Era nosso, tão nosso...
Minha vontade me traiu.
Eu te amo, talvez.
Tão fácil é viver sozinho...
Mas eu gosto do gosto do amargo
Poderia me perdoar?
Precisei deixá-la viver
Comerei aquele prato quente
Degustando borda a borda, minha amiga
Até que se faça frio
Até que EU possa digeri-lo
Eu te amo, talvez.
Isso poderia ser nosso paraíso.










Por Claus Burgos. Sonata Arctica, fonte de inspiração [sempre!]

domingo, 19 de outubro de 2008

Quarta feira 15/08

Eu tinha mesmo que ter feito aquilo... Como pude? Mas porque? Ainda que aquele passado não estivesse totalmente consumado para mim, eu não poderia escolher o caminho mais curto, porém nem o mais fácil seria tão correto ou fácil, só seria pouco menos errado.
Perdi a razão, feri meus princípios e corro o risco de machucar alguém que gosto. Ela é uma garota simples, aos meus olhos não despertou grandes atenções, nem um forte desejo de sentir seu calor, seu cheiro... Não me fez ver estrelas, como um dia eu as vi, antes mesmo de sair do meu próprio lugar... Não senhora, nenhuma daquelas duas o fez tão bem quanto "você".
Só 48 horas me separam do que eu até agora acho absurdo. Saibam que fui fraco, conquistei o coração de uma mulher, sem ter a intenção de amá-la. Eu tinha mesmo que vestir essa máscara! E o que mais me cega é o meu dilema, meu impasse : "ela é o meu tipo, mas não faz o meu tipo." Em meio a tanta pressão, talvez acabe vendo o lado contrário do que sinto e dando razão a felicidade daqueles que precocemente torcem pela tal "conquista". Saibam, esse é o meu problema, sempre querendo agradar os outros. Esse cara já deveria ter aprendido.
Hoje chateia receber mensagens no celular, me chateia quando a vejo feliz por estar esperando esse hipócrita que vos fala. Não poderia me sentir mais sujo! Ela não sabe o que eu sou... Nesse momento, afinidades não significam mais nada para mim.

Talvez deva parar por aqui, e quando lerem isto, amigos, já terei o feito. Talvez... Talvez seja bom pra mim... Talvez seja ruim pros dois lados.


Quanto a você, é você mesmo! Que vive seus dias de glória, voa tão alto que pode fazer suas gotas choverem em mim... Não me pergunte se está tudo bem.

domingo, 12 de outubro de 2008

Conto, "Páginas Erradas" Final



Tommy já estava atrasado para a aula, mas ansioso para chegar ao colégio mesmo com o seu ritmo lento nessa manhã. Podia não parecer, mas internamente ele estava explodindo de expectativas e decidiu parar de decorar o papel que havia escrito algumas frases na noite passada.
- Acho que não preciso disso, espontaneamente sai mais natural. – Tommy disse a si mesmo olhando para o espelho e embolando o papel.
Por fim, ajeitou sua roupa, calçou seu tênis preto e azul e desceu para tomar o café da manhã. Tommy parecia outra pessoa! O menino tímido deu lugar a um rapaz seguro e cheio de si, ele agora era metros mais alto do que imaginava que poderia ser. Saiu de casa e antes conferiu o celular. Bateria fraca. Foi o resultado do “cansaço” do celular que não era maior que o seu, mas a sua vontade o mantinha são. Seu pai já havia ido trabalhar e Mr. Revers percebeu que Tommy não se alimentou direito.
- Filho, alimente-se direito, você está atrasado, mas ainda dá tempo de uma refeição mais nutritiva!
- Não se preocupe mãe, eu como algo no colégio. –Tommy saiu quase levando tudo o que havia pela frente apenas para pegar uma maçã da fruteira.
Enfim, era hora de pôr seu plano em ação e cortar o “mal” pela raiz, antes que ele o desviasse de seu objetivo. Acelerou os passos e pensou bem no que iria fazer.
- É o que eu mais quero!
Chegando ao colégio, seguiu para a área verde atrás da quadra de esporte, perto do lago de águas calmas e azul-esverdeadas. Ninguém estava lá. Tirou o que trouxe da mochila, deixou tudo arrumando em um cantinho onde ninguém poderia ver, e voltou a caminhar 500 metros para portaria para aguardar o que havia encomendado.


Faz exatamente 30 minutos que a aula começou. Laura atenta como sempre, mas de vez em quando puxava conversa com a colega de trás propositalmente só para checar as reações de Martin, que parecia indiferente como sempre e hoje nem se quer cumprimentou Laura. Tirou então os olhos de Martin, e passou a se preocupar com a sensação que estava tendo essa manhã. Parecia que ela havia se esquecido de algo. Um lápis? Seu caderno? Desodorante? Não! Ela havia se esquecido de Tommy! Algo muito mais importante. Pensou como nessas últimas semanas estava tão cega por Martin, e nem se quer havia se quer tocado nele.
- Preciso ver o Tom... Mas aonde ele pode estar? Ele não é de perder aula. – Ela pensou consigo mesma.
Na parte superior da porta da sala de aula, o relógio marca 9 horas, e Laura está ansiosa pra sair, antes uma última olhada para Martin. Ele parece bem calmo.
- Acho que ele não vai gostar de me ver tão nervo... - Antes de completar a frase, Laura havia percebido um detalhe importante e óbvio. - Espera um pouco! Se Martin está aqui na sala, não pode ser ele que irá me encontrar daqui a... 20 segundos!

Enfim, o sinal do intervalo tocou, e Laura saiu em disparada para o píer próximo aos eucaliptos, mais além um pouco da quadra poliesportiva do colégio, no caminho uma surpresa um tanto quanto desagradável. Laura viu Martin aos beijos com uma garota. Era Clara, mas o que poderia fazer? Havia ainda um pequeno mistério que parecia brincar com sua felicidade. Ela estava cansada da correria que dera, e um pouco irritada com o que vira, então caminhou em passos longos e um pouco depois avistou o lago, em seguida os eucaliptos, estava perto. Entrou na pequena estrada que dava ao píer, olhava para os lados, para cima das árvores que o vento alisava as folhas, o lago sereno e azul onde os patos e gansos pareciam desfilar graciosamente.
- Eu estava esperando por você. – Alguém com uma máscara azul e branca, do tipo kabuki dos teatros japoneses, apareceu.
Laura hesitou, temeu aquele mascarado misterioso, mas que tinha a voz familiar.
- Quem é você? – Disse Laura.
- Antes que eu possa revelar... Eu quero te dizer que eu jamais conheci uma pessoa tão bela e tão magnífica quanto você, Laura. Você é tão linda... Basta olhar pra você e eu pareço enfeitiçado... – O mascarado chegou mais perto e acariciou o rosto de Laura. - Eu não consigo tirar você dos meus pensamentos, Laura... Porque eu realmente amo você.
Laura não encontrou palavras, e o mascarado aproximava-se dela, e ela sentia vontade de correr, mas algo a mantinha ali. Até que ela tocou a máscara e a retirou cuidadosamente... Era ele!
- Tommy... Era você... Meu Deus como eu pude ser tão cega?!
- Como pode ser tão linda?
E foram as últimas palavra dos dois como meros amigos, eles ficaram naquele lugar, aonde tudo começou, por horas, aonde voltariam todos os dias quando pudessem.
Até que enfim acabei!
Pra semana talvez retome meus textos.
Abraços ;)

domingo, 21 de setembro de 2008

Conto, "Páginas Erradas" Parte VI

E agora, o que Tommy faria? Ele havia beijado aquela garota... Ou melhor, ela havia beijado ele, mas não demoraria tanto se ele não tivesse correspondido. Pela noite, em casa, Tommy fechou a porta do seu quarto, ligou o som, Sure Know Something do Kiss. Deitou em sua cama e tentou refletir sobre tudo o que estava acontecendo, de como as coisas estavam ficando embaraçadas e pesadas em sua cabeça. Mas o beijo de hoje o marcou, talvez por sua facilidade de se apaixonar e de se apegar as pessoas... Talvez por ter sido algo que ele nunca imaginaria ter feito principalmente com Clara, mas ela o fez!
- E se ela realmente gostar de mim...
O fato é que Clara nunca demonstrou um sentimento a mais por Tommy, e ele não queria se envolver com ninguém a não ser Laura, e não queria nada que desviasse o seu foco, o seu plano, mas aquele beijo mexeu com seu corpo e talvez com uma grande parcela da sua mente.

O relógio do celular marcava 22 h: 13 min. e Laura se preparava para dormir, quando percebeu um barulho vindo da sua cama. “Uma mensagem recebida” era o que agora estava no visor do celular.
- “... E por onde quer que eu vá, vou levando você em minha mente, no meu coração... Eu poderia mentir para mim mesmo, mas é verdade... Eu preciso muito de você.”
Quando leu aquelas palavras tão doces, pensou em um único nome: Martin!
Voltou a ler a mensagem, uma, duas... três vezes. Laura não estava acreditando no que havia lido! Sem fazer um único esforço, havia conquistado o cara mais tudo que ela já conheceu, o garoto mais popular do colégio estava apaixonado por ela e isso lhe abriu um belo sorriso em seu rosto. Leu pela quarta vez a mensagem, desligou o celular, fez sua oração e demorou um pouco para pegar no sono. Viu Martin andando de mãos dadas com ela em direção ao pôr do sol, mas antes que chegasse ao final dele, viu uma pessoa bem familiar... Era Tommy! Antes que ele pudesse falar alguma coisa, Laura abriu os olhos, apanhou o celular a fim de ler novamente aquela mensagem, mas antes que pudesse se quer ter entrado na caixa de mensagens, recebeu outra mensagem.
- “Desculpa perturbar seu precioso sono, me encontre amanhã no píer 13, próximo aos eucaliptos, preciso lhe dizer o quanto você se tornou importante para mim. Não tenha medo, Laura. Beijos
Laura era o tipo de garota que não acreditava em coincidências, mas o sonho com Martin e a mensagem recebida logo após o seu despertar, realmente deixara ela confusa... E mais animada ainda!
- É amanhã! – Ela exclamou em perceber que o relógio marcava 5 da manhã... Já era hora de acordar.







Ainda bem que já tá acabando... Até eu sinto falta dos meus textos.
Abraços!

Música que segue : Sure Know Something - Kiss

domingo, 14 de setembro de 2008

Conto, "Páginas Erradas" Parte V

Foi um susto para Tommy quando o professor Robert anunciou que ele faria parte da 3ª equipe com Martin. Ele não teve quase tempo nenhum pra pensar se seria pior estar trabalhando com Martin na mesma equipe, ou ficar sem a companhia de Laura. Por outro lado, Martin não se abalou com a notícia e demonstrou isso dando um leve sorriso de canto de boca. Terminada a lista, e com Laura na equipe número 7, o professor Robert seguiu com os objetivos do trabalho.
- Queiram reunir suas equipes agora, darei uma solução a vocês e quero que analisem o Ph dela e apresentem os resultados para a próxima aula. A ordem de apresentação vai seguir conforme os números das equipes.
Todas as equipes se reuniram e a terceira equipe permaneceu em silêncio durante os três primeiros minutos até que Clara Jenkins, percebendo a falta de comunicação entre Martin e Tommy, decidiu o que seria feito.
- Bem, garotos, o trabalho vai ser apresentado depois de amanhã e não temos muito tempo. O laboratório vai ser reservado para nossa turma essa tarde e acho que deveríamos aproveitar esse tempo, o que acham? Tommy?
- Eu concordo.
- Tudo bem pra mim também – Disse Martin.

Pela tarde, todas as equipes estavam no laboratório e cada uma em suas respectivas mesas. Martin havia chegado um pouco tarde e Clara aproveitou o tempo para conversar com Tommy, que sempre mudava sua expressão perto de Martin. Laura estava 4 mesas de distância deles e acompanhou a cena.
- Desculpem o atraso... - Antes mesmo que Martin pudesse se explicar, Tommy já balançava a cabeça em um tom de desaprovação. Mal Martin havia chegado e pra ele o clima já estava insuportável.
Laura já estava se levantando de sua mesa, para evitar uma possível discussão, quando foi chamada por sua equipe. De volta ao trabalho, não pôde mais fazer nada.
- Tive uns contratempos, Clara... – Continuou Martin, tentando ignorar as atitudes, por hora infantis, de Tommy.
- Tudo bem, Martin... Sente-se, por favor.
- Então, Clara o que há pra ser feito?- Perguntou Tommy.
- Antes de qualquer coisa meninos, preciso lembrar o trabalho em equipe! Espero que não tenhamos muitos problemas, pelo menos agora. Vamos trabalhar.
E se reuniram até as 17 horas, quando todas as equipes já possuíam seus relatórios prontos. Após o trabalho, Martin levantou-se e acompanhou Laura até a saída.
Clara percebeu a reação de Tommy ao olhar os dois saindo juntos... Ela não era mais a mesma, não ligava mais e quase que não passavam mais tempos juntos.
- Tom... - Disse Clara- Você gosta dela, não é?
- O que?!- Era a pergunta que deixava Tommy estava sem jeito, e que no fundo ele tinha a resposta, mas tinha medo de deixar tudo explícito demais. E já era tarde demais.
- Relaxe, Tom... Há tantas garotas legais por aí. E você é um homem muito especial, tenho certeza disso.
O “homem” que Clara pronunciou, fez Tommy sorrir timidamente e olhá-la com tanto carinho que sentiu vontade de abraçá-la. E com um sutil... - Vem cá... – Abraçou Clara. Ela retribuiu com carinho, e com mais carinho ainda tocou seu rosto contornando-o e com Tommy imobilizado com todo aquele ar que os cercavam, o beijou.

Clara era uma garota de cabelos longos e sedosos, pretos e brilhantes como um céu limpo e estrelado. Seu rosto era sempre cheio de vida, sua pele era branquinha como uma leve camada de neve. Uma líder nata, e sempre alegre! Todos a admiravam por isso, porém Clara sabia ser astuta quando precisava.

domingo, 7 de setembro de 2008

Conto,"Páginas Erradas" IV Parte

Martin chegou cedo ao colégio, como de costume. A penúltima cadeira da fileira do canto direito era o seu lugar preferido, e desde o início do semestre que ele chega entre 07h00min e 07h15min. Sempre pontual, porém não muito participava das aulas e mal fazia as atividades, mas ele tinha a sua maneira de estudar e odiava a pressão dos pais. Viu Tommy entrar na sala e olhar de lado para ele numa expressão não tão amistosa, e Laura, logo em seguida, com uma tristeza que fazia sua beleza gritar em liberdade. Tommy sentou duas fileiras depois de Martin e Laura na segunda cadeira da fileira de Tommy. Martin notou a distância dos dois, mas logo pensou em como seria bom ter Laura na mesma classe no primeiro período. Apesar de ter a visto primeiro, Martin não acenou tampouco foi cumprimentá-la, era parte do seu jeito, observou Laura até que ela o notasse também, e foi o que aconteceu. Após repousar a sua mochila preta e rosa na cadeira, Laura virou-se para o fundo da sala e viu Martin querendo sorrir sem muito jeito, para ela. Timidamente foi de encontro a ele.
- Olá! Primeiro períodos juntos, hein? – Disse Laura.
- É acho que sim...
- Ah, desculpa, com aquela confusão dos livros eu nem me apresentei... Meu nome é...
- Laura! É um belo nome. – “Adivinhou”, Martin.
- Martin, certo? – Laura internamente saltava de alegria.
- Martin!


Sentado mais ao meio da sala, Tommy assistia a conversa de Laura e Martin. Não tirou a expressão do rosto desde que entrara na classe e estava se preparando para levantar quando o professor de química entrou para lecionar. As aulas do professor Robert eram bem monótonas, apesar de ser um homem extremamente inteligente. De vez em quando ele mostrava algumas reações legais no laboratório, e a aula de hoje seria lá.
- Bom dia, turma! Vamos dar continuidade aos nossos estudos sobre soluções, então queiram se dirigir ao laboratório em ordem.
Todos se levantaram como o professor havia pedido, porém Tommy quis sair por último. Martin acompanhou Laura até a porta do laboratório, enquanto Tommy praguejava duas palavras ainda na classe, então levantou-se de sua cadeira, juntou os cadernos e antes que ele saísse, Laura apareceu na sala.
- Dei por sua falta antes de entrar no laboratório... – Disse Laura.
- Relaxe, eu já estou me acostumando.
- Tom, o que de fato há com você? Parece tão... Diferente.
- Não há nada, ta tudo bem.
Por mais que ele quisesse, não iria tratar Laura mal, apesar de ter gritado com ela há 30 minutos. Tudo o que queria era só uma chance de conquistar inteiramente ela, de cuidar muito daquela linda criatura e ele tinha essa chance! Já havia pensado em tudo, mas agora andava um pouco receoso quanto a isso e a seu plano.
- Vem, Tom... Vamos trabalhar antes que o professor nos pegue aqui
- Tem razão... Vamos.
De volta ao laboratório, Tommy e Laura entraram justamente quando o professor Robert ditava as equipes do trabalho de química. Entraram, pediram licença e antes que Tommy se acomodasse em umas das mesas, algo lhe chamou atenção.
-... A terceira equipe é: Sr. Revers, Sra. Jenkins e Sr. Klingemberg...







e vamos seguindo com a história! =)
Abraços, galera!

domingo, 31 de agosto de 2008

Pequena pausa... Grito do coração


Ontem, quer dizer, hoje por volta de 1:00 da madrugada fizemos nosso segundo show, e dessa vez a Bloodseeker agitou o clube do rock em Conceição do Almeida- Ba. Eu diria que a noite foi inesquecível.

Levamos um micro-ônibus e uma van com amigos, parentes e os membros da outra banda, a exclusos. Entre todas as pessoas, estava Ela... Sim! Ela tinha comparecido e quando a avistei, senti como se uma manada de animais de grande porte estivesses prestes a passar por cima de mim. Ela estava linda como de costume... Como um sol em um dia de céu de puro azul e branco, pra mim a única luz que brilhava mais forte, e quando ela me notou, todas as minhas armas caíram. Não sei se foi o certo, mas decidi (na verdade queria e não queria) não cumprimentá-la, um pouco arrogante da minha parte, mas nos últimos 7 meses, o amor vem me deixando frio... É algo que te transforma para melhor e depois para pior... É sempre assim.

Então ficamos assim... Nessa troca de olhares, tristes olhares. A cada segundo que passava eu me arrependia mais e mais da minha atitude, e odiava quando algum qualquer tentava se aproximar dela... E o que eu deveria fazer ?! Ela não é minha, oras! Na verdade nunca foi, não minha, mas de alguém que de fato, nunca a mereceu, e agora Ela é uma mulher livre... "Independência" é o seu nome, Carolina é apenas apelido. Você esteve ausente, aproveitou as férias da faculdade, esqueceu seus "problemas" (lê-se Claus Burgos), enfim. Mas você esteve comigo, sim, você esteve! porque não se passou um dia se quer, que eu me deitasse e não me lembrasse de ti, do que eu te disse, do que eu sinto... Dos teus lindos cabelos claros. Bem, se por um mero acaso você estiver lendo esse pequeno desabafo, eu te peço desculpas por minha atitude ontem, e por mais qualquer coisa que você julgue que eu tenha feito de errado, e sim, precisa de desculpas, e quero que você leia ainda mais isto : Eu ainda gosto de você... Eu ainda estou apaixonado,"mocinha"! Me chame de fraco, me xingue em seus pensamentos, enfim, o que você quiser! Sinto sua falta e isso me corrompe, me quebra ao meio.



Me desculpe...









Pro pessoal do blog... Eu continuo o conto semana que vem. Abraços!

domingo, 24 de agosto de 2008

Conto,"Páginas Erradas" III Parte

Manhã de segunda-feira, os primeiros raios de sol já começavam a aquecer e preparar a cidade de Coleharbor para o corre-corre diário. Tommy acordou cedo, muito cedo. Na verdade não conseguira dormir direito e parece que o seu dia seria literalmente arrastado. Olhou no relógio que ainda marcavam cinco e vinte e três da manhã e decidiu levantar-se, porque se tentasse repor seu sono, só conseguiria o fazer na real hora de levantar. Depois de realizar todos os métodos higiênicos do dia, desceu as escadas até a cozinha, puxou uma cadeira e ficou a observar sua mãe preparar o café da manhã. Mrs. Revers percebeu tristeza e preocupação no olhar de Tommy. Coisa de mãe.
- Bom dia, filho!
- Oi, mãe.
Sr. Anthony, pai de Tommy, desceu às pressas para o café da manhã. Era um homem muito ocupado e quase nunca tinha um tempo maior com a família, e Tommy era o que mais sentia falta de uma companhia, um amigo. Sr. Anthony, no entanto, adorava sua família e no fundo, também sentia falta da companhia e do calor de sua esposa e do filho. Com uma xícara de café com creme na mão direita e endireitando seu paletó com a mão esquerda, cumprimentou Tommy apressadamente.
- Ei, campeão! Como vai a força?!
- Oi, pai! Bom dia.
Mrs. Revers acabou de preparar as panquecas e enquanto servia o marido, pediu para Tommy ligar a televisão. Era a hora do noticiário da manhã.
-... E vamos para as últimas notícias! Os corpos de dois jovens, ambos de dezessete anos, foram encontrados dentro de latões de lixo em um dos becos do centro de Coleharbor. As vítimas, Mike Garrisson e Joey Lione, foram atingidas por três tiros na noite passada. Acredita-se que o motivo foi a disputa por áreas de tráfico de drogas.


Laura terminou de tomar o café da manhã e foi para o seu quarto para mais uma ajeitada no cabelo, era a terceira vez que ela fora ao espelho. Acordou feliz, pois queria e sabia que iria encontrar Martin no colégio. Despediu-se de sua mãe e de seu pai com dois beijos em cada um, e seguiu andando para o colégio que não ficava muito longe de casa. Avistou Tommy seguindo o mesmo trajeto pelo outro lado da rua e decidiu o acompanhar.
- Tommy, espera!
Laura esperou o sinal fechar e a luz verde para os pedestres aparecer.
- Bom dia, Tom! Como está ?
- Bom dia, bem.
Era impressão sua, ou Tommy parecia aborrecido naquela manhã ? Laura notou uma ar diferente em Tommy, mas pensou que isso seria lago familiar e logo resolveu falar do que interessava para ela, Martin Klingemberg.
- Ai, Tom! Será que Martin está interessado em mim... E se não for ? Mas acho que eu to gostando dele e...
- Droga, Laura! Pára de falar desse cara, eu não agüento mais!- Tommy gritou sem querer com Laura e isso doeu muito mais nele mesmo. Apressando seus passos, Tommy deixou Laura para trás e atravessou o portão do colégio 7 segundos antes de Laura, que andou a passos lentos tentando compreender o que se passava com Tommy. De fato ele estava muito irritado, e isso não poderia surgir do nada. Pensou como Tom ficava diferente toda vez que estavam juntos ou quando ela falava de Martin, até o jeito como ele se comportava mudava. Laura ligou as peças do quebra-cabeça e percebeu que talvez Tommy estivesse com ciúmes de Martin e até aí achou normal. Mas temia que Tom estivesse apaixonado por ela também, porém descartou essa possibilidade.
- Ah... Não pode ser, deixa de pensar besteira mocinha. - Laura se advertiu. Logo, estava “cega”.






Oi, gente! Primeiramente eu queria dizer que não deu pra postar na semana passada porque tive que tocar com minha banda no nosso primeiro show =D! Foi o melhor som que já toquei. E domingo que vem a gente vai tocar em outra cidade vizinha e não sei se vou postar a continuação, se der posto sábado ou sexta. Um abração pra galera que tá curtindo um conto, valeu!

domingo, 10 de agosto de 2008

Conto,"Páginas Erradas" II Parte

Martin Klingemberg era o nome dele. Um rapaz tão frio quanto o seu país de origem. Imigrante finlandês veio com sua família para Dakota quando tinha apenas cinco anos de idade, e só aos onze, decidiu tentar adaptar-se ao seu novo mundo. Tinha cabelos longos e loiros, e olhos que todas as garotas admiravam muito. Contudo, Martin não gostava de relacionamentos sérios. Queria aproveitar a flor da adolescência com duas, três garotas por semana. Martin conseguiu “visgar” Laura, quando se esbarraram no pátio do colégio, na semana passada.
- Oh! Mil perdões, eu... – Indagou Laura.
- Tudo bem, sem problemas. – Martin juntou os livros de Laura, demonstrando uma não tão comum gentileza de sua parte.
Laura sorriu e seu rosto logo corou.
- Obrigada, eu sou meio desastrada... Enfim, desculpa...
Martin entregou-lhe os livros e saiu sem ao menos se apresentar, mas gravou o nome que estava no verso de uma das capas dos livros.

Tommy já tinha o seu “plano de declaração” em mente, e naquela tarde pensava tanto em Laura, que só assustou-se com o sétimo toque do telefone. Desceu as escadas até a sala, e atendeu ao telefone. Era ela! A sua voz era suave e inconfundível.
- Alô! Tommy?!
- Sim, Laura...
- Preciso conversar com você... Acho que não confio muito nas outras meninas, não para isso. Vou estar aí em 10 minutos.
- Ok! Estarei te esperando. – Mal escutou o que Laura havia dito. Só queria ver aquela linda criatura novamente, até quantas vezes pudesse!

A campanhia da casa de Tommy tocou e sua mãe chegou antes dele para atender a porta. Tommy estava descendo as escadas que levavam ao seu quarto e reconheceu a bela criatura que estava na porta... Laura se tornara uma mulher e tanto em três semanas, como isso seria possível?! Sintomas de paixão, talvez. A Mrs. Revers abriu a porta.
- Laura, querida! Como vai?
- Olá Mrs. Revers! Vou indo bem, e a Senhora?
- Tudo em ordem por aqui! Vou chamar o Tom, fique à vonta...
- Oi Laura! – Tommy interrompeu a mãe. – Mãe...
- Tudo bem, eu sei, eu sei... Vou trazer algo bem gostoso pra vocês.

Esperaram a Mrs. Revers se retirar, para iniciarem a conversa. Tommy ficou um pouco estático com a presença de Laura, e suas mãos suavam frias, ao contrário de Laura que parecia inquieta e um tanto quanto eufórica. Puxou o braço de Tommy e o levou para o canto da sala, onde o diálogo seria mais abafado pela arquitetura das paredes.
- Ai, Tommy! Ele é lindo!
- Jura? – Tommy pensou que Laura estava se referindo a algum bicho de estimação que vira.
- Sim! Martin Klingemberg é o cara mais descolado... Mais... Mais tudo de todos!
- Como é?! – Nesse momento Tommy sentiu como se estivesse dentro de um elevador indo do décimo andar ao térreo.
- Ele realmente balançou minha mente nessas últimas semanas, desculpa não ter te falado antes... É coisa de menina, sabe?
- Sei...
A mãe de Tommy interrompeu a conversa trazendo suco de laranja e duas generosas fatias de torta, porém Tommy não estava com tanta fome e se perguntava se Laura tinha a mínima noção do que ele sentia por ela.

Noite de domingo, hora de todas as famílias se prepararem para descansar e encarar o dia seguinte. A maioria dos jovens já estava na cama, exceto aqueles que possuíam certo descaso com a vida. Para esse grupo de jovens, a noite só estava começando e em um desses grupos estava Martin Klingemberg. Mike e Joey o acompanhavam naquela noite, após muitas doses de tequila e vodka. Eles nunca haviam usado drogas pesadas e ao menos Martin sabia o que elas causavam, por isso nunca tivera a mínima vontade de experimentá-las. Mike e Joey eram usuários de crack e muitas vezes chacoteavam Martin, que com seu jeito frio deixava tudo passar em vão.
- Ei, Martin! Dá uma experimentada aí, cara?! - Perguntou Joey.
- Não, obrigado. Se quiser morrer, que morra só.
- Ah, esqueçam isso um pouco, Senhores! Temos uma diversão melhor essa noite. – Disse Mike, tirando do casaco uma pistola nove milímetros.
- É disso que eu to falando! – Disse Joey.
- Cara, vocês dois são loucos! – Martin deu meia volta.
- Pra onde você vai, cara?! – Perguntou Joey
- Pra casa.
No caminho de volta pra casa, Martin pensava sobre muitas coisas. Já estava cansado de vadiar, de se sentir inútil. Pensou também na menina dos livros, de como ela tinha o olhado. Ela parecia ser uma garota especial.

(...)



Galera, acho que esse conto vai ser o mais longo... To tendo várias idéias pra ele e sinceramente, não sei quando vou terminá-lo xD. Enfim, só sei que isso virou meu passa-tempo. Não deixem de colaborar também! Abrações!

domingo, 3 de agosto de 2008

Conto,"Páginas Erradas"

Ele era o tipo de garoto que nem todos ouviam falar. Com sonhos e ambições de qualquer jovem de dezessete anos, ele colocava tudo de sim em cada coisa que fazia. Era um tanto quanto reservado entre suas músicas, seu quarto de paredes azuis e livros. Preferia livros de romance, suspense e ação. Era um fator que o diferenciava de muitos garotos de sua idade, que em sua grande maioria, odiavam livros.

Era uma monótona tarde de sábado, e Tommy estava em seu quarto lendo a última linha de " Para sempre", livro que escolheu aleatoriamente na livraria do shopping. Mesmo local onde há 3 semanas, conheceu Laura, que inicialmente era como uma irmã mais nova. Durante os últimos quatro dias, Tommy e Laura encontraram um pouco de si, um no outro. Foi o bastante para que Laura se tornasse a mais recente paixão de Tommy River. Ele acabou de ler o livro e colocou o mesmo sobre a escrivaninha branca do seu quarto. Lembrou-se dela, dos seus olhos e de seu corpo quente, como mil candelabros acesos. Adorava seus abraços...

- Laura... Seria certo ?

Pegou sua guitarra Gibsson Les Paul, modelo 89, e logo ouvia-se as primeiras notas de Scar Tissue, dos Red Hot Chili Peppers. Ele sabia que não poderia esconder o que sentia por Laura, estava cansado de ver suas paixões serem levadas pelo seu silêncio, pelo tempo, e muitas vezes por outros caras. Pensou em fazer algo.


Ela era uma garota adorável, querida por sua mãe e a preferida do seu pai, cresceu sem muitos mimos, apesar de pertencer a uma família de condições economicamente favorecidas. Priorizava árduamente seus estudos e seu passa-tempo preferido era ir à livraria do seu tio, lá no shopping onde conheceu seu, até então melhor amigo. Tommy River era o tipo de cara que Laura nunca imaginou encontrar por aquelas bandas, ele era realmente único e especial. Laura recebia um telefonema do seu tio, toda vez que chegava uma nova remessa de livros, e uma vez por semana, ajudava nos serviços da livraria. Gostava de ajudar e fazia de tudo por lá, desde servir cafezinhos à ajudar os clientes na hora das compras. Quase sempre acabava dando uma verdadeira aula a todos eles. Era muito querida por todos os empregados e clientes da livraria. Laura, como toda garota, se sentia verdadeiramente atraída pelo tão "descolado" Martin.

(...)





Bem, galera, tava escrevendo esse conto aí só que me empolguei demais e comecei a escrever sem parar. Então, quero a ajuda de vocês pro fim do conto que termina (ou não) semana que vem. Aceito sugestões, pois quero uma maior interação com vocês! =)
abraços pros caras e beijos para as mocinhas [me liguem] hauehueheueu! ;)
obrigado, pessoal!

domingo, 27 de julho de 2008

"Lamentável"...






Foi apenas uma das várias palavras que encontrei para aquela situação. Talvez em parte, mas quero poder não lamentar mais nada por... "nós". Pode ser uma longa caminhada até que isto seja consolidado, e prometo não pegar o caminho mais curto dessa vez.

Avistei teus cabelos claros, dançando sobre o vento frio do crepúsculo de uma segunda - feira, e meus olhos acompanharam cada passo seu, até que você desaparecesse completamente ao atravessar a rua. Tive vontade de checar se realmente tinha sido você, embora eu já tivesse toda certeza de que eu precisava. Decidi então apressar os passos, imaginando se precisaria MESMO, te ver, depois de tantos dias... longos dias... Claro! Te alcancei, e ao mesmo tempo te assustei ao me aproximar... Talvez. Algo me dizia que você tinha me visto primeiro a poucos quarteirões atrás. Não queria olhar em teus olhos, e fui te acompanhando mantendo meu olhar sobre as ruas, mas com a mente a trabalhar você.

Minhas mãos suavam e estavam mais frias que de costume. Não ouvi muita coisa sobre o que você me falava, mas ouvi o nosso silêncio na maior parte do caminho, e tudo o que mais queria era sair dalí, mas fui me escondendo atrás de outras vontades que tive até seu olhar me capturar firme. Foi quando senti que minha defesa havia se rompido. Correspondi teu olhar, e tive a sensação de ter recebido vários cubos de gelo na face, em seu rosto sem muita expressão, estava escrito em letras garrafais que eu não deveria estar alí. Nos afastamos logo após do teu abraço reclamado por mim, e observei você seguir sem olhar para trás.


Sim, você é tão independente... Sempre pronta para outra virada, dona de qualquer jogo... Me deu uma coroa e logo após abriu meu peito com a lança mais afiada que encontrou. Foi o castigo designado pelo jeito sujo como tu me julgaste. Mesmo ferido, eu pretendo me reerguer... Sem trapaças, serei tão forte quanto ou mais que você, dono do meu próprio jogo... Do meu amor próprio.



Uma vez que a pedra
Sob a qual você está rastejando
É retirada de seus ombros...
Uma vez que que a nuvem que está chovendo
Sobre a sua cabeça desaparece...
O barulho que você ouvirá
É de quando os anos vazios desmoronarem


( Hollow Years - Dream Theater )

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Mudar...

Mudar é preciso!

Bom, eu tô fazendo algumas mudanças na minha página, como vocês podem observar... Eu já estava arquitetando tudo desde a semana passada. Parti da idéia de que preciso mudar mais um pouco, ou pelo menos tentar mudar meu "eu", mas sem perder a minha verdadeira essência.

E com esse blog não vai ser diferente, o tema e os meus escritos vão continuar os mesmos, enfim. Quis deixar ele com um aspecto mais frio (literalmente). Não tenho muito o que falar, mas acho que tenho muito mais a mostrar, e não sei se vou conseguir mudar completamente o que quero, porque certas coisas por mais que a gente tente, nunca mudam. É da natureza de cada um, mas vamos lá... Ao menos eu tô tentando.


Ahh, obrigado vocês aí leitores do blog, e muuito obrigado mesmo pela galera que diz se encontrar nas minhas postagens! Cara, isso me faz muito feliz, me sinto útil! Sem falar que me inspira a escrever mais e tentar me superar a cada post. Bem, quero a opnião de vocês a respeito dessa nova cara da página. Enfim, domingo tem mais postagem, e em breve farei alguns contos por aqui, pra diversificar as postagens. O tema não vai mudar.

Bem, to meio sonolento agora... Mais uma vez, obrigado pessoal!
Abraços!

domingo, 20 de julho de 2008

Só mais um uivo...


E tudo que mais quero, neste e em outros momentos, é ter você. Ter a certeza que você estará lá, aqui... Carregando em si, tudo o que quase sempre me faltou. Sua alma farta em carinho, seu coração a bater em ritmos suaves e descompassados, sua pele clara como a luz do luar que invade o meu quarto nessa noite de inverno morto... Você.


Eu te quis desde o início, e durante todo esse tempo você foi me ajudando, me renovando e me mantendo no seu encanto quase inocente. Maravilhosamente simplista. O suficiente para me fazer te procurar durante quase todas as noites, desejando que isso nunca tivesse fim e ao menos imaginando que tão cedo houvesse um... Ao menos parece. Isso me torna impotente, não se o que fazer nem o que pensar. Não sei se esse meio termo te dará o que talvez você queira. Queria bater na sua janela, e desenhar as mais absurdas caretas sobre a poeira, então você saberia que era eu. Queria repousar sobre a nossa pedra e esperar até que meus olhos não me enganassem ao mínimo sinal teu.


Será que é certo gostar de você desse jeito ? já me vira antes bastante confuso sobre esta questão.Noites a fio acordado pensando nisso, muitos dias atrás. Sempre soube que algo em ti, me chamaria a atenção... Tudo. E seus cabelos... Ah! Seus lindos e claros cabelos, como não poderia falar deles ? Tento resgatar na memória o suave aroma das sedosas ondulações dos teus louros fios. Você encontra-se não muito longe de mim, talvez uns 2 a 3 Km, no máximo (não nos fins de semana). Com o passar dos dias, temo que esse abismo acabe por aumentar ainda mais a nossa distância, se é que você pode me entender... Não sei se há alguém te desejando, não sei se você está realmente bem (espero que sim!), mas sei que ninguém sente algo tão maravilhoso e verdadeiro por você, quanto eu. Se eu pudesse, te tomaria meu coração de volta, e deixaria você roubá-lo novamente.


Saudades... foi só o que restou ?

sexta-feira, 18 de julho de 2008

"Dead" Girl... / SELO!



Eu escrevo todas as linhas que você quer,
com palavras eu ouso usar de todos os artifícios...
os que você me vem ensinado ao longo dos tempos.
Você faz uma sombra perfeita em meu papel,
E desvanece-se com luz solar.
Temo a maneira que você me conhece...
O amor pode deixar uma mancha...
Você rouba minha única esperança e me faz ficar acordado outra noite
Então,eu desejo que voce aguarde comigo, fique próxima a mim
quando as folhas do outono caírem...
Solidão, minha dor, a última coisa que sobrou de mim...






Se você cair, eu te pegarei, se você amar, eu amarei...

"Dead" Girl






Sem muito o que escrever por essa noite. Deixando a música entrar em meus ouvidos e esperando que faça a revolução em meu ser... Sonata Arctica me inspirando,sempre!


Ganhei isso da Renata (http://desassossegonabolsa.blogspot.com/)... Bem,não sei bem o propósito do tal "selo",mas tudo bem,segue a lista do meus blogs mais queridos que vão levar o selo :

http://www.lifesicklylifedead.blogspot.com/ { "vizinha" x) que tá desenvolvendo uma escrita fantástica}

http://jemimmamedeiros.blogspot.com/ { aah essa é uma mocinha bem bacana,quase sempre vem aqui e diz se encontrar nos meus textos também}

http://garotonaadolescencia.blogspot.com/ {nesse o debate rola solto,muito bacana mesmo!}

http://semfronteirasnaweb.blogspot.com/ { galerinha massa e inteligente,cultura total!}

Enfim,gostaria de postar mais links,mas qualquer coisa olhem alí do lado...

;)

domingo, 13 de julho de 2008

Droga! é a droga...

Talvez nada esteja indo muito bem para mim. Apesar de só escrever sobre minha vida amorosa,todo o resto das coisas que pareciam me extasiar, agora são só mais um número a somar nas contas de dificuldade. O resultado dessas operações ? Desânimo, insônia e falta de apetite (essa última,nem sempre). Não é preciso tirar a prova real pra constatar isso em mim. Paixão sempre foi,ao meu ver,algo extremamente especial, algo que sei realmente levar a sério, e que nesse momento, passo a odiá-la. É uma maldita poesia que parece ser escrita por demônios (às vezes).

Chego em casa um pouco cansado, em média 2 Km para ir, e uns 3Km para voltar (quando não há desvios) do cursinho. Adoro andar para clarear as idéias ao som de uma boa música! A brisa da noite por aqui, parece levar alguns pensamentos negativos para bem longe e dissolvê-los em macromoléculas, ao mesmo tempo, arrepiam-me os pêlos do corpo e uma falsa sensação de poder me inspira em coisas da quais devo fazer. A sensação some, mas as idéias permanecem. Algo tão bobo e simples, mas fazer o que ? eu adoro isso!


Uma das coisas que não gosto (aliás,ninguém gosta!), é a sensação de vazio, de uma parte sua que parece estar desmoronando... de um abismo que foi formado entre eu e Ela. Ainda não acredito que algo (relativamente pequeno) foi capaz de nos derrubar. Nos sentimos muito mal. Sinto por ela, que tem a impressão que está mergulhada em um estranho deja vu, por conta das experiências passadas, e por mim, que causei todo mal entendido... Sim! foi um mal entendido. Me sinto péssimo! todos os dias.


Meus pais devem achar que eu sou usuário de drogas, por conta do meu jeito calado e bastante² reservado entre minhas músicas e meu quarto. Mas querem saber ? Sim, eu uso drogas... uma droga que também causa alucinações, que vicia, que te faz pensar e fazer loucuras! uma droga que provavelmente você já usou ou pode estar usando também, sem saber ou não... a paixão!
Talvez queira usá-la sempre... eu quero usá-la pra sempre! mas como toda droga,ela tem seus efeitos colaterais, e sinto estar a ponto de uma overdose.




Em todo sonho que eu tenho eu digo:
"eu não estou apaixonado por você"
Mas todo dia eu digo que sim
Você mexeu com minha cabeça tantas vezes
Me forçando a te amar...
(Sonata Arctica - Last Drop Falls)

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Bloodseeker rules! ;)

Saindo um pouco da minha linha sonhadora e um tanto quanto romântica,venho escrever sobre esses caras que conheço a menos de um ano. Pessoas que se tornaram importantes para mim,não só pelo que fazemos,mas pelo que eles fazem por mim,direta ou indiretamente.



Bem,primeiramente nós formamos uma banda de Death Metal Old School. Um som um tanto quanto tosco e irritante para os ouvidos não acostumados. Eu particularmente não sou fã desse estilo de Metal,e logo nos primeiros meses eu estava para não continuar tocando com os caras (e eles nem sabem disso!x]),pois meu sonho,desde que eu tinha 14 anos,era de formar uma banda de Heavy Metal (e ainda é!),mas nunca achei membros para isso por aqui.Principalmente alguém que cantasse lírico,tivesse uma voz de barítono ou que se virasse em falsestes.Certamente você deve estar se perguntando (ou não ¬¬) que diabos então eu estou fazendo nessa banda... enfim,vou exclarecer melhor isso.




Primeira noite de ensaio:
(da esq. para dir.) Wedersson (ex-baixista),Mauricio "Corpse (vocalista),Claus "Khaos" (baterista),Henrique Marcolin (guitarra)





Quando entrei pra Bloodseeker eu não conhecia ninguém,o vocalista eu conheci num show da Imago Mortis mas depois não mantivemos contato,após um tempo descobri que o mesmo mora a metros de mim. Eu realmente me sentia um estranho no ninho por não conhecer o som nem as bandas que influenciam o nosso projeto,e até então nunca tinha se quer tocado com pedal duplo. O primeiro ensaio foi em meados de dezembro do ano passado,e pra mim foi de tremer as pernas!
Certamente nunca havia tido experiência com pedal duplo,mas eu toquei relativamente bem,acho que foi a vontade e o clima de amizade que se formou logo nos primeiros ensaios,que me fez e que me faz evoluir e me dedicar cada vez mais por nós. Depois do primeiro ensaio,abrimos uma garrafa de vinho pra comemorar o primeiro ensaio da Bloodseeker e a minha aprovação e a do baixista na primeira fase da UFBA.





Bom,infelizmente o nosso baixista saiu pois teve que ir morar em Salvador por conta da faculdade,sendo substituído pelo atual.Ele ainda é novato tanto no som quanto na banda e na função que terá que ocupar daqui pra frente na banda,pois ele não criou fortes intimidades com o contra-baixo,mas tenho certeza que irá chegar lá! Não é apenas uma expectativa minha e dos outros membros da banda,os ensaios mostram isso! A evolução está acontecendo em todos nós,a prova disso ? temos o primeiro show marcado para 17 de agosto,temos 4 músicas prontas,iniciaremos a gravação da demo "Times to Hate",e faremos mais algumas músicas pro álbum.Em menos de um ano de banda conseguimos essas grandes conquistas,óbvio que não iremos parar por aqui.





Algo bem bacana me chama atenção em nossa banda,nós nos divertimos ensaiando,não somos constantemente cobrados um pelo outro e cada um sabe o quanto tem que se esforçar.As terças-feiras se tornaram uma válvula de escape de todos os dias da semana. Nunca brigamos por nada nem somos tão radicais um com o outro,pois cada integrante tem influências de um determinado tipo de música,todas variando entre os estilos de Metal,e algumas do rock n' roll tradicional.Vários desses elementos são usados nas nossas músicas,como uma receita,usamos um pouco de cada ingrediente. Tudo isso e mais o fator amizade,vem nos dando coragem e intusiasmo para mostrar um som com o nosso estilo... O estilo Bloodseeker! _\,,/





Atual formação:

(da esq. para dir.) Claus "Khaos",Mauricio "Corpse",Luis Felipe "Magister" e Henrique Marcolin (fundo).

Estamos entre amigos!

domingo, 6 de julho de 2008

Relembrando...


Acordei um pouco "vazio" hoje,como se algo faltasse em mim ou como se alguém o tivesse tirado de mim.Eu não sei muito bem o que possa ser,mas tudo parece ficar tão... tão sem graça nos últimos dias,que até pra escrever eu me sinto sufocado.Eu adoro escrever,me sinto feliz,mais leve,esperançoso quando posto meus sentimentos aqui... mas ainda sim me sinto vazio.Na verdade a única explicação mais provável para isso,é Ela...


Sim,a garota dos cabelos claros e cheirosos que eu tanto cito! A garota que enche meus olhos,que comanda o fluxo dos meus pensamentos e das minhas emoções! A dona do abraço mais caloroso,do rosto angelical e da voz tão suave quanto as ondulações dos seus cabelos ao vento.

A única que eu pude notar em meio a tantas outras criaturas.De primeira vista pareceria uma garota simples pra mim,mas por conhecer suas idéias,seus gostos musicais,suas manias(muitas idênticas a minha,a exemplo de comer pipoca com grill),seu jeito observador e crítico... é como se as luzes se apagassem sobre outras mulheres,e só restasse uma grande luz acesa sobre Ela.


Me sinto simples ao lado dela,e adoro olhar para aqueles olhos cor de mel,embora eles nunca tenham um ponto fixo por mais de 6 segundos.Ela é como uma flor pequenina e simples de um raro aroma no meio de um jardim com flores altas e de cores chamativas.Sorte a minha!sempre adorei as coisas simples da vida =) nelas eu sempre acho algo que me desperta a atenção,e com Carolina não foi diferente.Ela tem algo a mais,sim!

A conheci(pessoalmente) na noite do meu aniversário,acredito que não foi por acaso,pois de todas as felicitações,de todos os abraços,de todos os cheiros e sorrisos,só ficaram os dela.Foi a melhor coisa que aconteceu nos últimos meses!


Enquanto eu escrevo sobre ela,passam-se pequenos filmes aqui na minha mente e... bom,eu adoro isso,poucas são as coisas que eu realmente tenho o prazer em relembrar.Até nisso Carolina soube fazer a diferença x) coisas simples(também) aconteceram nesses períodos,e a companhia dela foi especial,essencial e incomparável.E ainda é! Me sentia esquecido antes de conhecê-la,e quando abrimos uma garrafa de vinho suave na praça,tudo mudou... tá certo que álcool em geral deixam as pessoas mais comunicativas,enfim,mas só sei que eu queria conhecer mais aquela garota com ar de mistério que estava sentada com as pernas cruzadas diante de mim.Enfim,foi algo magicamente,incrivelmente e especialmente simples conhecê-la,o que rolou depois... foi complicado pra mim,mas acabei por vencer alguns medos.Mais uma vez ela fez a diferença pra mim.


Eu tenho saudades de você,de te pedir pra não desgrudar mais do teu corpo quentinho e você me responder "não desgrude!"



Agora me arrependo de ter desgrudado tão cedo... talvez você ainda estivesse "aqui".Mas tudo bem,vamos deixar rolar... pode ser um bom recomeço!






"Porque eu penso onde você está
E eu penso em o que fazer
Você está em algum lugar se sentindo só
Ou há alguém te amando?
Diga-me como ganhar seu coração
Porque eu não tenho idéia
Mas me deixe começar dizendo, eu te amo"

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Eu o fiz... eu tentei!


Sim,eu fiz o que tinha planejado...

Matar duas aulas no cursinho não foi difícil pra mim,aliás o momento mais difícil daquela segunda-feira,foi encarar o frio na barriga enquanto eu caminhava em direção à sua casa.

Parecia que já não estava dentro de mim quando me dei conta do que realmente faria.Pode ter sido algo simples aos seus olhos,mas para mim foi algo bastante inédito e complicado.


Minhas mãos tremiam enquanto eu me abaixava para pegar uma tira de madeira,ao mesmo tempo em que o papel com um soneto Camoniano parecia querer ganhar vida na minha mão esquerda.O sopro dos ventos frios que sopravam por aquele lugar quieto onde você mora me fazia ter mais receio do que eu estava a fazer.Coloquei a "flor-Carolina" no pequeno espaço que se formava entre os cantos do envelope,e com a mão direita um pouco suja da terra molhada,levantei a janela do seu quarto e te destinei a carta.Esperei ouvir o som do envelope se abrir ou o som do mais belo corpo levantar-se do repouso.


Eu não poderia ficar do lado da sua janela,quis evitar que você me visse fazendo aquilo.Fui para mais longe,e me escondi atrás do muro de um terreno baldio.Só não vi os espinhos que arranhavam meus pés,mas não me importava com isso desde que ocorresse tudo bem.Já anestesiado com uma mistura de ansiedade,saudade e paixão,fiquei a esperar o telefonema seu,confirmando o que te foi pedido na carta.Sem mais a paciência de esperar 5 minutos que pareciam a eternidade naquele momento,eu te liguei,e pude ouvir sua voz tímida e sussurrante.Haviam se passado 4 longos dias que não nos falávamos,e as noites eram mais longas que os dias,(nesses 4 dias)Enfim...


E você estava a ler o soneto que eu escrevi na areia molhada,junto a nossa pedra,nosso canto.Vim te recitando outra parte que não tive a oportunidade de escrever,não sei se foi pr nervosismo ou porque a areia estava molhada demais,e no momento que fui a seu encontro com uma rosa nas mãos... quando nossos olhos se encontraram,e a distância entre nossas vozes e entre nossos corpos,diminuíram,ouvi duas palavras escaparem da sua boca:


"que lindo..."


Talvez você até não se recorde desse mínimo detalhe,mas foi como ouvir um Power Metal em alta velocidade... os pelos do meu corpo se arrepiaram,e eu vi você elevar a mão esquerda até a sua boca que estava a tremer,talvez pelo frio,ou por seus longos e lindos cabelos claros que estavam úmidos... E eu tremi,tremi e enchi os pulmões de ar e falei,temendo que perdesse a voz no meio da seguinte frase:


"Desculpa... acho que a gente não deve acabar desse jeito..."


Embora tenha conseguido falar certo,ter escrito o soneto (meio ilegível) certo,ter sentido o cheiro dos seus cabelos,do seu corpo... TOCADO SEU ROSTO,não obtive o êxito que esperava.Você está em dúvida,mas pelo menos eu arranquei o cruel negativismo de mim! e talvez de você também...


Nos gostamos muito,Carolina,e sabemos que isso não pode parar por aqui!

Quero fazer o que nenhum outro fez por ti,me dedicar a você... a nós!

Tá ficando difícil sem você.

talvez você leia isso,talvez não... talvez seja só mais um texto de Claus Burgos,o taurino teimoso...


Enfim,tô com sono... irei dormir.


domingo, 29 de junho de 2008

Uma folha...



"... Eu adoro estar com você! Me sinto tão bem,mas ao mesmo tempo insegura,acho que você me entende né ?Não sei,acho que você vicia porque a cada dia sinto mais vontade de estar com você,mas ás vezes não dá... Coisas que são necessárias!

Apesar de você não perceber,gosto de você a muito mais tempo do que você imagina,moço.Sou uma boa atriz *.*.Tinha,e ainda tenho muito medo de demonstrar porque sei que você não gosta tanto assim de mim.Mas aos poucos as coisas serão descobertas,apesar de ser um pouco duro,concorda ? (muito duro! =\)

Você é muito especial para mim,você é meu clone e bastante diferente em vários aspectos dos outros caras,e isso é melhor do que você possa imaginar,sabe ? ^^ Espero que eu esteja te fazendo bem e tirando o seu precioso sono para te fazer mais feliz... "


(...)



Achei isso (não sei se foi por acaso) enquanto arrumava a minha gaveta agora pela manhã... ela ainda tem o seu cheiro,e estava dobrada do mesmo jeito que a deixei na noite em que você me entregou.Bom,ela está um pouco amassada,pois você não queria que a lesse na sua frente... acho graça lembrando de como você tentava tirar ela de mim,sem algum êxito.Lembra do que aconteceu naquele dia ? Foi algo maravilhoso...

Eu praticamente não durmo há 3 dias seguidos (sem exageros),e me sinto como se não tivesse mais lágrimas (até a nossa música tocar)...

Nessas noites,algo me veio a mente(fora você) e eu decidi parar de lamentar e fazer algo!Não quero ficar chorando como uma criança... EU REALMENTE GOSTO DE VOCÊ,e farei isso de todo coração.mesmo! Atitudes valem mais do que palavras.


tá decidido!


Não vou falar a respeito do que possa ser... mas você teima em passear sobre meus pensamentos,e não quero que saia deles,de forma alguma.Ainda é cedo,muito cedo pra desistir!





26 de abril de 1990

Dizem que o "mal" do taurino,é a persistência...


sábado, 28 de junho de 2008

Regresse...




Lembra da primeira vez... do primeiro,e até agora único vinho tinto que tomamos juntos ?

Não foi em vão...


Lembra de quando saíamos,e na hora de voltar pra casa... eu te deixava na porta,e sem saber o que fazer depois ?

Não foi em vão...


Lembra quando você me olhava... e eu parecia distante ? e você me perguntava em que eu estava a pensar... [eu pensava no próximo passo pra te ganhar]

Não foi em vão...


Lembra quando fui num show de punk/emo aí na sua cidade ? foi a desculpa perfeita pra poder te ver.

Não foi em vão...


Lembra do primeiro beijo... meio nervoso ? que eu parecia não acreditar no que realmente estava acontecendo ? (como agora...)

Não foi em vão...


Lembra de quando eu cheguei na sua janela... na noite do seu aniversário,meio molhado da chuva e meio sujo da lama,só pra poder te levar uma carta e chocolates ?

Não foi em vão...


Lembra da flor que eu batizei com seu nome ?

Não foi em vão...







Entre outras coisas,outros lugares,tantos beijos e abraços... Enfim,eu gosto demais de você,e o que eu sinto não é algo tão passageiro assim.Eu venci alguns medos só para poder chegar mais perto de você,abri mão de algo valioso pra poder começar outro... com você.

Não deixe os dias passarem...

Não deixe algo pequeno acabar com algo precioso...



"Look out the window... C'est moi"


quarta-feira, 25 de junho de 2008

Onde nossos medos se chocam


Faz tempo que não vejo alguém tão "durona"...

Você mistura simplicidade e complexidade com pitadas de mistério e um pouco de dor.Sua alma parece aconchegante e terna de demônios.Maturidade além da sua idade cronológica que contrasta a sua doçura de menina com sua voz meiga e carinhosa,como uma criança que implora um doce para sua mãe.
Eu te quero todos os dias,moça,e queria que você carregasse minhas palavras contigo,com valor,pois não sei o que dizer quando você me fala desse jeito...
Essa noite eu sonhei com você,moça,foi um sonho lindo embora eu só me recorde de alguns flashes,a exemplo de como você me tocava com suas mãos macias.
Difícil é esquecer os seus olhos cor de mel...
Seus olhos me encantam,pois eu vejo neles toda preocupação de tempos passados,moça... e essas coisas certamente estão mechendo comigo... e com você também.
Eu tenho medo de te perder muito cedo,moça,pois eu não me acostumei com perdas desse tipo.Você tem medo de se machucar novamente,e acha difícil alguém gostar de você... então tente ver mais além,moça! eu estou aqui,eu tento lhe dizer de todas as maneiras,com todos os gestos,o quanto me interesso por você,pelos seus medos,pelos seus risos,pelas suas tristesas,pelos seus lindos cabelos claros... moça! venha... tente chegar mais perto de mim,pois se isso não for paixão,eu não sei mais o que possa ser.Embora você não acredite no que eu sinto,ou que tudo isso venha ser insuficiente,moça,eu sei o que eu sinto e por muito tempo eu não me sentia assim,na expectativa de um novo começo...


Agora temos uma nova chance,moça.

terça-feira, 24 de junho de 2008

vá!


No momento em que eu me afastar,
você está pronta para outra volta
andando no ar gelado da noite sem calcinha
você tem uma luz vermelha brilhando na sua alma, eu vi o brilho
em todo sonho que eu tenho eu digo: "eu não estou apaixonado por você"
mas todo dia eu digo que sim
você mexeu com minha cabeça tantas vezes
me forçando a te amar...



Por que eu não consigo te dizer "não",mas o tempo irá mostrar.

domingo, 15 de junho de 2008

Está fadado a desaparecer






Nenhum serviço é de graça,
tais coisas não tem volta,
isto fará muito bem para mim,
apenas venha aqui, venha, venha, venha...

E sugue a minha vontade de viver
você me deu a coroa, e me matou...
um longo caminho sem volta
mesmo assim, eu preferi pegar o caminho mais curto...

sexta-feira, 13 de junho de 2008

"Entom,enfim..."



Nos juntamos pela tarde,e enquanto te esperava,notei o seu perfume tomar conta do quarto.De repente,toda minha vida parece ter ficado lá fora... foi quando você chegou.

Você estava com o sorriso mais lindo de todos os dias,moça,e eu fiquei te observando(eu sempre fico te observando ;]) sem esconder a minha timidez,toda vez que nos aproximamos,mesmo que sejamos... "grandes amigos!"
Moça,quando a tarde já estava indo embora,nos encontramos sobre lençóis.O seu corpo agora é o meu santuário,e eu trago o meu carinho para te ofertar,trago beijos e abraços para esquecermos do tempo.Moça,eu sei que te faço muito bem e quero te fazer ainda mais,sei que tu és merecedora de todas as minhas caminhadas,todo o meu esforço,porque você,moça me faz sentir nas nuvens,me faz sentir vivo... você me trouxe um novo raio de Sol.
Hoje,faltou espaço por aquele lugar macio e dono do seu cheiro,moça.E eu posso me lembrar do jeito como você tocava o meu rosto,jeito esse comum mas muito singular,pois eu sabia que era você,moça! Eu amo a sua simplicidade,o jeito como você aquece as minhas mãos e o cheiro dos seus claros e longos fios de cabelo,moça... me fazem repousar em teu leito,de modo que desejo nunca mais sair dalí.
E quando a hora de partir se faz presente,moça,parecemos duas crianças teimosas que não querem sair da areia.Mil coisas são percebidas e criadas para que nossas mãos não se separem,mas quando tudo acaba,moça...





já estamos esperando um novo dia.





E foi hoje que eu pude notar o quanto você me quer bem.
Mais do que qualquer outra criatura,agora você me faz sentir vivo,necessário! A sua voz... uma doce voz,que me dizia bem baixinho o quanto gostava do meu carinho...

"Você precisa de um colo".




Saiba que estás me ensinando um novo caminho a percorrer,moça...




sábado, 7 de junho de 2008

À exceção da dor

Eu deixo a angústia para atrás
As cicatrizes são curadas - eu sou ajustado livre
As correntes da culpa realizam-se no passado
Têm não mais por muito tempo uma preensão em mim

Quanto mais eu vejo - menos acredito
Quanto mais eu ouço - menos eu me importo
Este mundo que nós criamos,
deixou-me frio
Este mundo está sedado, morrendo em seu próprio sono.




(editado)

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Sem título e embaralhado




Já passam das 3 da manhã,e eu,não sei porque,ainda estou aqui escrevendo.


Bom,eu não sinto sono agora,e algumas coisas me deixam bastante preocupado,e daqui a pouco meu pai vem me mandar dormir.Enfim,estou a pensar como se faz pra ganhar a confiança e o coração de alguém,seria simplesmente ser você mesmo ? seria pegar no pé dessa pessoa,sempre ? CLARO QUE NÂO! quer dizer,você tem que ser você,e talvez mais além.Dar o que o outro precisa é a chave pra abrir a primeira porta,ser companheiro,carinhoso e prestativo.




E quando você faz tudo certo,pensa que as coisas irão melhorar e elas pioram ? Ou quando você sente que alguém está muito distante de você ? Ou quando você pensa que está fazendo tudo certo,mas na verdade você pode estar sendo um inútil ? partindo pro lado mais doido do assunto que me ocupa nessa madrugada entendiante,se eu tivesse que escolher algum poder,escolheria o vulgo "ler mentes",e agora mesmo me pergunto se isso não tiraria o prazer do desafio de tentar pensar no que o outro está pensando.Seria melhor "voar pra longe",enfim.




Eu não culpo ninguém,afinal todo mundo passa por isso,e eu sei que posso vencer as barreiras da mente alheia (as do coração também!),sem precisar de poderes a La "Liga da Justiça".E sei o quanto me esforço pra isso,e você provavelmente sabe... mas não tenhamos pressa,você já disse as palavras que eu queria ouvir,e isso me deixou muito contente,mesmo percebendo que mesmo mudando de canal,sempre censuram a minha programação.Mas eu não desisto fácil,eu sou taurino e persistente (muitas vezes eu sou é preguiçoso!).Eu só te peço que não tenha medo,Lobos são animais dóceis e só mordem quando ameaçados,caso contrário,são leais,companheiros e bastante carinhosos.



Apenas deixe-me te guiar sobre a neve que se forma,pois conheço o frio com a palma das minhas mãos! (e você sabe).

sábado, 31 de maio de 2008

Pacta sunt servanda ?!



Sensação meio desconfortável e ao mesmo tempo muito boa.

As coisas parecem ir bem quando tentamos pensar nelas ao contrário,as vezes é melhor não esperar muito algo acontecer,por mais que você deseje que isto aconteça.É uma espécie de psicologia reversa que acaba dando certo.

A maior parte do tempo eu passo ouvindo música (como sempre),dei uma pausa nas leituras,na biologia,e no meu romantismo exaustivo (agora que eu vim perceber).

Não quero mais dar tudo de mim por alguma coisa,mas quero deixar tudo acontecer de uma forma espontânea,e se conseguir o que quero,aí sim! irei dar minha vida se for preciso.

Quero tomar cuidado também com as coisas que podem vir fáceis,porque podem ir facilmente ou durarem pouco tempo.

Eu quero abrir mais as minhas asas e experimentar um novo ar,quero aprender a voar em outras paisagens,e se tiver que cair,quero estar pronto pro próximo vôo.




Eu quero seguir o novo raio de Sol.





"Curta é a batalha para esta pequena andorinha
Amor soa familiar, mas a emoção escapa de mim
Viverei o dia enquanto ele ainda está aqui...
E verei como o medo da morte transforma-se nela..."

(Sonata Arctica-Don't Say a Word)

domingo, 25 de maio de 2008

"Canis Lupos"











O lobo é o maior dos canídeos selvagens, e vive em grupos familiares chamados de alcatéia. Nelas, o macho e a fêmea mais velhos são os chefes e os jovens têm de fazer o que lhes é determinado. A sociedade dos lobos e a dos homens têm muitos aspectos em comum, pois ambas se desenvolveram como caçadores sociais, que precisavam viver em grupo para poder abater presas maiores. O único par de lobos que se acasala é formado pelo macho e fêmea dominantes. Os filhotes são amamentados durante 10 semanas, depois passam a ser alimentados pela mãe e pelos lobos mais jovens, que regorgitam a carne das caçadas, até crescerem o suficiente para caçarem junto com o grupo. O Lobo abate presas grandes, como Bois Almiscarados graças a forma de caçar em equipe.
O lobo do Ártico,é o maior dos lobos, e habita o extremo norte do Canadá, tem uma vida difícil à procura de comida em meio ao gelo e ao frio do Circulo Polar Ártico. Eles no inverno adquirem uma pelagem branca e bastante espessa, mas são cinzentos, marrons ou pretos no inverno.O lobo cinzento, habita quase todo o hemisfério norte, porem foi quase totalmente expulso da Europa, e dos Estados Unidos, onde existem ainda em pequenas populações.


No passado haviam lobos em todos os países europeus, mas esses inteligentes animais foram perseguidos por proprietários de terra e caçadores durante séculos e hoje são muito raros e encontrados apenas no sul e no leste do continente.
O lobo vermelho, do sudeste dos Estados Unidos, estava extinto na forma selvagem, mas foram re-introduzidos alguns na Carolina do Norte em 1988. O lobo Cinzento havia sido extinto dos Estados Unidos, mas alguns exemplares também foram re-introduzidos no parque de Yelowstone.O lobo é um animal que foi implacavelmente perseguido pelo homem, principalmente devido a fazendeiros que não queriam ameaça as suas criações. Hoje o homem está tentando impedir a extinção das diversas espécies de Lobos, mas eles ainda continuam sendo mortos, e seus habitats destruídos.






''Hoje, há um reconhecimento crescente de que podemos mais uma vez aprender com nossos velhos amigos Canis Lupus. Atualmente os lobos, com a assistência dos homens, estão começando e ressurgir pelo mundo. Em nossos dias, a ordem social do homem parece estar em decadência, enquanto a do lobo permanece intacta.'Nós vamos morrer afogados no nosso próprio sangue,a natureza cuida .


(trecho do livro "A sabedoria dos lobos")






sexta-feira, 23 de maio de 2008

Conto,"Escrito nas poeiras"

Então ele chega,olha para a pequena janela do quarto dela,espera um pouco,mas já eufórico e demasiadamente saudoso.Nem parecia que tinham se visto àlgumas horas antes.Então,ele tenta pensar em uma música enquanto ela percebe a sua presença do lado de fora do quarto,rapidamente se apronta e se faz presente antes da "pseudo-música" dele chegar ao refrão.Eles se olham,e enquanto encaminham-se para um abraço,ele deixa escapar a sua felicidade por mais uma vez estar diante dela.
Um beijo leve,um cheiro e mais um abraço apertado,ao aproximar-se dela,fixa o olhar na sua face lisa,e carinhosamente leva suas mãos ao rosto dela,acariciando-a,percebe um brilho diferente nos olhos dela,também descobre que os olhos da bela mulher são da mesma cor que os seus.Enfim,sentam-se em uma grande rocha que fica de frente para uma árvore de folhas bem finas de modo a deixarem os raios de sol escaparem entre elas,formando pequenas "gotas de luz" por onde refletissem.Ela esta linda,como de costume,e ele adora tanto o seu cheiro,os seus longos cabelos claros... Até o seu olhar um pouco distante,que de hora em hora volta sua atenção à ele.
A tarde parece tranquila,e o local aonde eles se encontram fica mais calmo cada vez que a brisa do fim de tarde alisa os cabelos dela.
Então eles decidem caminhar pelas ruas frias e quase desertas daquele lugar onde todos parecem olhar para um simples casal em especial,e ninguém sabe o porquê.Talvez porque sejam "simples" apenas nas mentes e nos olhos dos outros,mas só eles dois sabem que há algo mais que especial quando se tocam,ou quando até mesmo pensam um no outro.
Eles certamente sabem aproveitar o tempo que estão juntos,mas o tempo nunca os deixam passar do tempo.É muito pouco tempo por mais que o seja muito tempo.
E quando a noite se faz presente,tudo "acaba" onde tudo,exatamente TUDO começou.









"É como sair do mar,e depois de um certo tempo,sentir as ondas ainda te balançando" ( Claus Burgos)





"Unlike the last time here,
I now have the means and a will sincere
Your knight is nowhere near
Unfortunate for you, this makes me your God..."
(Sonata Arctica)

domingo, 18 de maio de 2008

"Homens cabeludos" dizem...



Nós ficamos parados aqui por um dia
Buscando respostas para toda a eternidade
Ou algo do tipo...
Ouça a razão falando em mim
Tenha fé em mim, tenha fé em mim
Eu não posso dizer que eu estou bem e
Pegar tudo o que você diz e encarar com valor
Eu falei com você mais do que eu deveria
Tenha fé em mim, tenha fé em mim
Eu falei muito hoje
Você não confiou em mim
Então eu continuo falando de todas as maneiras
Através do mar
Eu escuto você me chamando
Para a propósito da vingança você não irá me deixar
Isto não terminou
Nunca terminará
Até que a dama gorda diga que me ama
Eu estou cansado, porém eu estou nadando
Você não irá me deixar, você está afundando
E você está quietamente me puxando para baixo
Nós nunca iremos fazer isto a menos que você vá...
Não há crime
Mesmo assim eu fui acusado
E eu vejo a solução nua atrás de mim
Você me reduziu a uma arma como você
Tenha fé em mim, tenha fé em mim
Eu não poderia escutar a menos que eu inclinasse minha orelha
Porque eu até tentei?
Eu havia contado a você tudo sobre o que eu era
Tenha fé em mim, tenha fé em mim
Eu estou me sentindo fraco hoje
Por favor não me acerte...
(...)
Tony,você é foda,cara...

sábado, 17 de maio de 2008

I can't understand...





Eu li o que escreveste,mas acho que o motivo de eu ter feito o meu diarinho virtual,foi só pra escrever algumas coisas,no máximo,sem taanta importância,mas ultimamente tá sendo pra uma espécie de defesa.Isso é muito ruim,maaas... vamos lá.
Quando tudo acabou e por um bom tempo,eu ainda amava você,eu chorava,me apegava a coisas ou imagens que me traziam um pouco de você,do seu cheiro,enfim... Você me censurava,não aceitava o modo como eu te falava.Sei que você sofria também,mas por mais amor,por mais atração que eu sentia,eu queria mesmo te ajudar.E por mais que você susurrava ao telefone "mentira,você não gosta de mim",mesmo que brincando... Droga eu nunca gostei desse tipo de brincadeira,mas isso não influenciava em nada.
Eu estive "no seu pé" por dias,meses,por muito tempo! e isso te pressionava,confesso que também necessitava de atenção,mas a maior parte da minha,estava depositada em sua figura.Lembra ?
Talvez não só você saiba,que não gosto de "ficar",eu não gosto de meios termos.Me incomoda,enfim...
Certa vez,você me disse que gostava da sua liberdade... Bom,eu decidi fazer a sua vontade,te deixar um pouco mais livre,não te pressionar mais,acho que era isso que você queria.Agora,eu nem sei mais o que você quer... E nem sabia que você esperava por mim,já que queria o direito de se apaixonar de novo.Bom,você tem todos eles agora...
Sua mente deve estar muito confusa,e você deve tá precisando de mim,mas não quero me prender muito a você,não mais tenho essa vontade toda.De fato,eu ainda gosto muito de você.Sua mente deve estar muito confusa e não sei se o seu coração também.
Normal,agora também me sinto assim.



Sometimes i feel so out of time and place, trapped in a maze as if I was lost in someone else’s life…The values I should keep in high regard don’t mean a thing tome,do you ever feel a need to go back in time? A dream of mine…To travel far away and one day steal back my lifeIn the end all I can do is to learn I live in a dreamland.

(Misplaced-Sonata Arctica)

domingo, 11 de maio de 2008

Mais uma vez,eu estarei aí...

Eu já sabia de certas coisas...
Porque eu chorei,eu me vi no mais fundo buraco que já encontrei um dia,assim como todo mundo e assim como você.Mas eu estive com você,o tempo todo... A cada manhã,a cada sonho,a cada tarde e a cada noite.Não tão fisicamente,mas por pensamentos e por lembretes.
Eu me senti fraco todos os dias,você não confiou em mim.Te chamei através de mares,de ondas,de montanhas,mas você parecia não ouvir... Tão distante ?

Eu sabia que você iria cair,como eu caí.Mas eu disse,que estaria lá pra te erguer quando você mais precisar,e eu vou estar.Você não sabe o quanto é preciosa pra mim,mesmo que as vezes não pareça... Aliás,você deve saber disso.Eu me "ausentei" por algum tempo,e também apareceram certos contra-tempos,mas nada que tirasse algo da minha alma.Algo incrivelmente forte!
E hoje você mexeu mais um pouco comigo.Não da maneira que eu esperava,mas tudo bem... Meus amigos me ajudaram muito,e amigos são pra essas coisas,mas eu sempre serei algo mais..


não sei muito o que dizer,mas é hora daquela velha cançãozinha que você via tocar sempre:





Dream Theater- I walk Beside You

Há uma história em seus olhos
Posso ver a dor por trás do seu sorriso
A cada sinal que reconheçoUm outro me escapa
Me deixe conhecer o que atormenta sua mente
Me deixe ser o único a conhecer o seu melhor
Ser o unico a te por pra cima
Quando você sentir que está afundando
Me diga mais uma vez
O que há por trás da dor que está sentindo
Não me abandone
Ou pense que não pode ser salvo
Eu estarei ao seu lado
Onde quer que você esteja
O que quer que aconteça
Não importa quão longe
Por tudo que pode vir
E tudo que pode ir
Eu estarei ao seu lado

Se você perdeu seu caminho eu colocarei você nele...

Oh, quando tudo está errado
Oh, quando a desilusão rodear voce
Oh, o sol irá nascer novamente
O tempo que você perdeu te levará de volta para casa
Então não se renda! Não se entregue! Eu estarei ao seu lado!