domingo, 21 de setembro de 2008

Conto, "Páginas Erradas" Parte VI

E agora, o que Tommy faria? Ele havia beijado aquela garota... Ou melhor, ela havia beijado ele, mas não demoraria tanto se ele não tivesse correspondido. Pela noite, em casa, Tommy fechou a porta do seu quarto, ligou o som, Sure Know Something do Kiss. Deitou em sua cama e tentou refletir sobre tudo o que estava acontecendo, de como as coisas estavam ficando embaraçadas e pesadas em sua cabeça. Mas o beijo de hoje o marcou, talvez por sua facilidade de se apaixonar e de se apegar as pessoas... Talvez por ter sido algo que ele nunca imaginaria ter feito principalmente com Clara, mas ela o fez!
- E se ela realmente gostar de mim...
O fato é que Clara nunca demonstrou um sentimento a mais por Tommy, e ele não queria se envolver com ninguém a não ser Laura, e não queria nada que desviasse o seu foco, o seu plano, mas aquele beijo mexeu com seu corpo e talvez com uma grande parcela da sua mente.

O relógio do celular marcava 22 h: 13 min. e Laura se preparava para dormir, quando percebeu um barulho vindo da sua cama. “Uma mensagem recebida” era o que agora estava no visor do celular.
- “... E por onde quer que eu vá, vou levando você em minha mente, no meu coração... Eu poderia mentir para mim mesmo, mas é verdade... Eu preciso muito de você.”
Quando leu aquelas palavras tão doces, pensou em um único nome: Martin!
Voltou a ler a mensagem, uma, duas... três vezes. Laura não estava acreditando no que havia lido! Sem fazer um único esforço, havia conquistado o cara mais tudo que ela já conheceu, o garoto mais popular do colégio estava apaixonado por ela e isso lhe abriu um belo sorriso em seu rosto. Leu pela quarta vez a mensagem, desligou o celular, fez sua oração e demorou um pouco para pegar no sono. Viu Martin andando de mãos dadas com ela em direção ao pôr do sol, mas antes que chegasse ao final dele, viu uma pessoa bem familiar... Era Tommy! Antes que ele pudesse falar alguma coisa, Laura abriu os olhos, apanhou o celular a fim de ler novamente aquela mensagem, mas antes que pudesse se quer ter entrado na caixa de mensagens, recebeu outra mensagem.
- “Desculpa perturbar seu precioso sono, me encontre amanhã no píer 13, próximo aos eucaliptos, preciso lhe dizer o quanto você se tornou importante para mim. Não tenha medo, Laura. Beijos
Laura era o tipo de garota que não acreditava em coincidências, mas o sonho com Martin e a mensagem recebida logo após o seu despertar, realmente deixara ela confusa... E mais animada ainda!
- É amanhã! – Ela exclamou em perceber que o relógio marcava 5 da manhã... Já era hora de acordar.







Ainda bem que já tá acabando... Até eu sinto falta dos meus textos.
Abraços!

Música que segue : Sure Know Something - Kiss

domingo, 14 de setembro de 2008

Conto, "Páginas Erradas" Parte V

Foi um susto para Tommy quando o professor Robert anunciou que ele faria parte da 3ª equipe com Martin. Ele não teve quase tempo nenhum pra pensar se seria pior estar trabalhando com Martin na mesma equipe, ou ficar sem a companhia de Laura. Por outro lado, Martin não se abalou com a notícia e demonstrou isso dando um leve sorriso de canto de boca. Terminada a lista, e com Laura na equipe número 7, o professor Robert seguiu com os objetivos do trabalho.
- Queiram reunir suas equipes agora, darei uma solução a vocês e quero que analisem o Ph dela e apresentem os resultados para a próxima aula. A ordem de apresentação vai seguir conforme os números das equipes.
Todas as equipes se reuniram e a terceira equipe permaneceu em silêncio durante os três primeiros minutos até que Clara Jenkins, percebendo a falta de comunicação entre Martin e Tommy, decidiu o que seria feito.
- Bem, garotos, o trabalho vai ser apresentado depois de amanhã e não temos muito tempo. O laboratório vai ser reservado para nossa turma essa tarde e acho que deveríamos aproveitar esse tempo, o que acham? Tommy?
- Eu concordo.
- Tudo bem pra mim também – Disse Martin.

Pela tarde, todas as equipes estavam no laboratório e cada uma em suas respectivas mesas. Martin havia chegado um pouco tarde e Clara aproveitou o tempo para conversar com Tommy, que sempre mudava sua expressão perto de Martin. Laura estava 4 mesas de distância deles e acompanhou a cena.
- Desculpem o atraso... - Antes mesmo que Martin pudesse se explicar, Tommy já balançava a cabeça em um tom de desaprovação. Mal Martin havia chegado e pra ele o clima já estava insuportável.
Laura já estava se levantando de sua mesa, para evitar uma possível discussão, quando foi chamada por sua equipe. De volta ao trabalho, não pôde mais fazer nada.
- Tive uns contratempos, Clara... – Continuou Martin, tentando ignorar as atitudes, por hora infantis, de Tommy.
- Tudo bem, Martin... Sente-se, por favor.
- Então, Clara o que há pra ser feito?- Perguntou Tommy.
- Antes de qualquer coisa meninos, preciso lembrar o trabalho em equipe! Espero que não tenhamos muitos problemas, pelo menos agora. Vamos trabalhar.
E se reuniram até as 17 horas, quando todas as equipes já possuíam seus relatórios prontos. Após o trabalho, Martin levantou-se e acompanhou Laura até a saída.
Clara percebeu a reação de Tommy ao olhar os dois saindo juntos... Ela não era mais a mesma, não ligava mais e quase que não passavam mais tempos juntos.
- Tom... - Disse Clara- Você gosta dela, não é?
- O que?!- Era a pergunta que deixava Tommy estava sem jeito, e que no fundo ele tinha a resposta, mas tinha medo de deixar tudo explícito demais. E já era tarde demais.
- Relaxe, Tom... Há tantas garotas legais por aí. E você é um homem muito especial, tenho certeza disso.
O “homem” que Clara pronunciou, fez Tommy sorrir timidamente e olhá-la com tanto carinho que sentiu vontade de abraçá-la. E com um sutil... - Vem cá... – Abraçou Clara. Ela retribuiu com carinho, e com mais carinho ainda tocou seu rosto contornando-o e com Tommy imobilizado com todo aquele ar que os cercavam, o beijou.

Clara era uma garota de cabelos longos e sedosos, pretos e brilhantes como um céu limpo e estrelado. Seu rosto era sempre cheio de vida, sua pele era branquinha como uma leve camada de neve. Uma líder nata, e sempre alegre! Todos a admiravam por isso, porém Clara sabia ser astuta quando precisava.

domingo, 7 de setembro de 2008

Conto,"Páginas Erradas" IV Parte

Martin chegou cedo ao colégio, como de costume. A penúltima cadeira da fileira do canto direito era o seu lugar preferido, e desde o início do semestre que ele chega entre 07h00min e 07h15min. Sempre pontual, porém não muito participava das aulas e mal fazia as atividades, mas ele tinha a sua maneira de estudar e odiava a pressão dos pais. Viu Tommy entrar na sala e olhar de lado para ele numa expressão não tão amistosa, e Laura, logo em seguida, com uma tristeza que fazia sua beleza gritar em liberdade. Tommy sentou duas fileiras depois de Martin e Laura na segunda cadeira da fileira de Tommy. Martin notou a distância dos dois, mas logo pensou em como seria bom ter Laura na mesma classe no primeiro período. Apesar de ter a visto primeiro, Martin não acenou tampouco foi cumprimentá-la, era parte do seu jeito, observou Laura até que ela o notasse também, e foi o que aconteceu. Após repousar a sua mochila preta e rosa na cadeira, Laura virou-se para o fundo da sala e viu Martin querendo sorrir sem muito jeito, para ela. Timidamente foi de encontro a ele.
- Olá! Primeiro períodos juntos, hein? – Disse Laura.
- É acho que sim...
- Ah, desculpa, com aquela confusão dos livros eu nem me apresentei... Meu nome é...
- Laura! É um belo nome. – “Adivinhou”, Martin.
- Martin, certo? – Laura internamente saltava de alegria.
- Martin!


Sentado mais ao meio da sala, Tommy assistia a conversa de Laura e Martin. Não tirou a expressão do rosto desde que entrara na classe e estava se preparando para levantar quando o professor de química entrou para lecionar. As aulas do professor Robert eram bem monótonas, apesar de ser um homem extremamente inteligente. De vez em quando ele mostrava algumas reações legais no laboratório, e a aula de hoje seria lá.
- Bom dia, turma! Vamos dar continuidade aos nossos estudos sobre soluções, então queiram se dirigir ao laboratório em ordem.
Todos se levantaram como o professor havia pedido, porém Tommy quis sair por último. Martin acompanhou Laura até a porta do laboratório, enquanto Tommy praguejava duas palavras ainda na classe, então levantou-se de sua cadeira, juntou os cadernos e antes que ele saísse, Laura apareceu na sala.
- Dei por sua falta antes de entrar no laboratório... – Disse Laura.
- Relaxe, eu já estou me acostumando.
- Tom, o que de fato há com você? Parece tão... Diferente.
- Não há nada, ta tudo bem.
Por mais que ele quisesse, não iria tratar Laura mal, apesar de ter gritado com ela há 30 minutos. Tudo o que queria era só uma chance de conquistar inteiramente ela, de cuidar muito daquela linda criatura e ele tinha essa chance! Já havia pensado em tudo, mas agora andava um pouco receoso quanto a isso e a seu plano.
- Vem, Tom... Vamos trabalhar antes que o professor nos pegue aqui
- Tem razão... Vamos.
De volta ao laboratório, Tommy e Laura entraram justamente quando o professor Robert ditava as equipes do trabalho de química. Entraram, pediram licença e antes que Tommy se acomodasse em umas das mesas, algo lhe chamou atenção.
-... A terceira equipe é: Sr. Revers, Sra. Jenkins e Sr. Klingemberg...







e vamos seguindo com a história! =)
Abraços, galera!