sexta-feira, 23 de maio de 2008

Conto,"Escrito nas poeiras"

Então ele chega,olha para a pequena janela do quarto dela,espera um pouco,mas já eufórico e demasiadamente saudoso.Nem parecia que tinham se visto àlgumas horas antes.Então,ele tenta pensar em uma música enquanto ela percebe a sua presença do lado de fora do quarto,rapidamente se apronta e se faz presente antes da "pseudo-música" dele chegar ao refrão.Eles se olham,e enquanto encaminham-se para um abraço,ele deixa escapar a sua felicidade por mais uma vez estar diante dela.
Um beijo leve,um cheiro e mais um abraço apertado,ao aproximar-se dela,fixa o olhar na sua face lisa,e carinhosamente leva suas mãos ao rosto dela,acariciando-a,percebe um brilho diferente nos olhos dela,também descobre que os olhos da bela mulher são da mesma cor que os seus.Enfim,sentam-se em uma grande rocha que fica de frente para uma árvore de folhas bem finas de modo a deixarem os raios de sol escaparem entre elas,formando pequenas "gotas de luz" por onde refletissem.Ela esta linda,como de costume,e ele adora tanto o seu cheiro,os seus longos cabelos claros... Até o seu olhar um pouco distante,que de hora em hora volta sua atenção à ele.
A tarde parece tranquila,e o local aonde eles se encontram fica mais calmo cada vez que a brisa do fim de tarde alisa os cabelos dela.
Então eles decidem caminhar pelas ruas frias e quase desertas daquele lugar onde todos parecem olhar para um simples casal em especial,e ninguém sabe o porquê.Talvez porque sejam "simples" apenas nas mentes e nos olhos dos outros,mas só eles dois sabem que há algo mais que especial quando se tocam,ou quando até mesmo pensam um no outro.
Eles certamente sabem aproveitar o tempo que estão juntos,mas o tempo nunca os deixam passar do tempo.É muito pouco tempo por mais que o seja muito tempo.
E quando a noite se faz presente,tudo "acaba" onde tudo,exatamente TUDO começou.









"É como sair do mar,e depois de um certo tempo,sentir as ondas ainda te balançando" ( Claus Burgos)





"Unlike the last time here,
I now have the means and a will sincere
Your knight is nowhere near
Unfortunate for you, this makes me your God..."
(Sonata Arctica)

2 comentários:

Carolina disse...

nyaaaa sabe? lindo ^^ sim... sempre é escrito na poeira hehehe! é visto pela janela e senta-se na pedra e fica admiando a lua e ouvindo "miguel" hehehehe
o sol no olho e descobrir mais uma semelhança: sao quase iguais ^^

pq ele é como a lua e ela é como o sol =]~ mas apesar dos extremos somos quase iguais hehehe

sabe? tb quero ouvir sua voz
te dar um abraço daqueles simples maaaas bem gostosos ^^' e ficar vendo o povo passar e olhar x)

e sim estar com vc é mesmo como tomar banho de mar e sentir as ondas no corpo... tu é minha onda x]

<3

(})

=*********

Carolina disse...

2° comentario

sim! tudo é escrito nas poeiras... todos os recados, todas as coisinhas q fazem a maior diferença... tudo naquela janela^^
é incrivel como o tempo passa rapido por mais tempo q tenhamos... nunca é muito...
é sempre bom assim... sentar na pedra, curtir o frio, observar a lua e o sol e perceber mais uma coisa em comum... os seus olhos ^^
é bom ve-lo... é como sim tomar banho de mar... pq ele sao as minhas ondas q me embalam na hora de dormir...

é bom ate curtir a chuva entre os seus abraços e tremer de frio sobre o ceu negro... e ver os unicornios e os cri cri cri de "miguel" =D
tudo fica tao "perfeito"


<3

(})

=**